• williamspoiato

Os comunistas querem democracia



Não é de hoje que aqueles que “combatem o socialismo” e enxergam o “espectro do comunista” em toda parte nos apontam o dedo como totalitários, antidemocráticos ou, aos mais tradicionais, maximalistas.

O que surpreende não é que eles nos ataquem, é que o restante dos “vermelhos” não nos defenda, deixem sua própria história, a do movimento operário, ser manchada por um grupo descomunal de mentiras, meias verdades e interpretações torpes do processo concreto de construção do socialismo.

Mas como nos dizia Mao Tse Tung, baseado em Lênin,A prática é o critério da verdade”[1], então mergulharemos na história recente do Brasil para pensar: Qual projeto propõe realmente uma “democracia”; os liberais e social democratas no poder ou os comunistas?

Quantas vezes o povo foi chamado para decidir de fato a política nacional, além das eleições ordinárias? Em 27 anos o Brasil realizou um plebiscito e um referendo  apenas[2], a titulo de comparação, a Venezuela nos últimos 10 anos realizou ao menos 3 deles e 2 constituintes, Cuba passou por uma constituinte e inúmeras avaliações pelos seus conselhos de bairro, a China reorganizou os conselhos locais, como Vietnã e Laos.
 
 
O processo mais avançado de democratização foi aplicado pela dupla social democrata no Brasil, o partido neoliberal (PSDB) e o partido social-liberal (PT) apostaram na “democracia participativa”. O melhor exemplo são os conselhos gestores de diversos equipamentos ou  os participativos, podemos  também pensar nos de conselhos de saúde, criança e adolescente, assistência social, habitação, etc. onde sua capacidade real de influir oscila entre zero e meramente consultivo. 
Os conselhos afloram em 2008 em nível nacional, e praticamente morrem em 2019 sob o governo Bolsonaro, que esvazia todos os conselhos nacionais. Como disse Jones Manoel, o que surpreende sobre o fechamento dos conselhos não é que o abertamente fascista governo federal os tenham esvaziado, mas que  o tenha feito com tanta facilidade. 
Os conselhos faziam tão pouca parte do dia-a-dia da “sociedade civil” que esta nem bocejou pelo seu destino. Alias não podemos perder de vista que, pós 2013, os conselhos foram usados como mais uma parte da maquina de apassivamento de classe, cooptando diversos movimentos para dentro da maquina estatal [4].

Ao mesmo tempo, nos últimos dez anos apenas foram inúmeras as vezes que os comunistas reivindicaram plebiscitos e referendos populares [5,6,7,8,9,10,11,12], chamando pelo povo para que este decida seu destino. 
Além disso,10 anos após seu XIV Congresso, os comunistas colocam em seu programa a elaboração e organização popular em Conselhos Populares,coisa que dá calafrio à burguesia[13].
Os Conselhos Populares são organizações autônomas dos trabalhadores. Reivindicatórios não só do presente, ou seja, do que é necessário naquele momento, mas também reivindicatórios de futuro, buscando a construção de outra sociedade como um todo. 
Os comunistas defendem que por toda a parte se organizem conselhos populares por região ou temáticos com trabalhadores independentes, movimentos sociais e sindicatos, sobre saúde, segurança, transporte, moradia, etc. que tenham um real poder legislativo e executivo sobre a sociedade. Coisas hediondas e trágicas, como este momento, onde o Brasil esta sem ministros da educação, saúde e justiça seriam virtualmente impossíveis, pois os próprios trabalhadores iriam indicar o próximo ao cargo, alçar e derrubar estas figuras, segundo seus interesses. Claro, para conquistar isso os trabalhadores devem desde já organizar-se e ir à luta, fundando estas organizações.

Se os sociais democratas querem gerar uma democracia meramente participativa e os fascistas não querem democracia nenhuma, os comunistas, por sua vez querem construir o Poder Popular[14]! 

Ou em outras palavras, se a prática é o critério da verdade:

Os comunistas querem a verdadeira democracia!

Referências: 

[1] TSÉ-TUNG, Mao. Sobre a prática: Sobre a relação entre o conhecimento e a prática, entre o saber e o fazer (1937). Editora Schwarcz - Companhia das Letras, 2014
[2]https://www.ebc.com.br/noticias/politica/2013/06/nos-ultimos-20-anos-brasil-fez-um-plebiscito-e-um-referendo
[3] PONTUAL, Pedro. Desafios à construção da Democracia Participativa no Brasil: a prática dos conselhos de gestão das políticas públicas. Coleção Cadernos da CIDADE, v. 12, n. 14, 2008.
[4] Fábio Bezerra. Política de Conselhos Petista. 
 https://pcb.org.br/portal2/6415/politica-de-conselhos-petista/
[13] Fábio Bezerra, candidato comunista ao Governo de Minas quer instituir conselhos populares. Jornal Hoje em Dia, 29/08/2010
[14] https://pcb.org.br/portal2/24443/poder-popular-um-debate-teorico-necessario/


226 visualizações
apoie.png