• Rafael Lopes

O projeto genocida de Bolsonaro


A pandemia se alastra no pais de maior população da América Latina. Milhões de brasileiros estão sendo afetados não apenas pelo vírus, mas também pelas políticas genocidas do Governo Federal. Mesmo com mais de 15 mil mortos e mais de 100 mil infectados, o Governo Federal não tomou sequer uma medida de contenção ao vírus. O negacionismo exacerbado de Bolsonaro e sua trupe, custará a vida de milhões de brasileiros. O fascista miliciano não se dá nem o trabalho de esconder o seu projeto genocida de imunização de manada. Em prol do interesse de uma minoria de patrões, o Governo está disposto a expor toda uma população a um vírus mortal. Mas não nos enganemos: o descaso de Bolsonaro com a população brasileira não se trata de incompetência, mas sim de um projeto.

O projeto genocida de Bolsonaro tem como objetivo contaminar a maior quantidade possível de brasileiro (matando, segundo os dados mais otimistas, 1 milhão de pessoas) para assim não precisar paralisar toda a economia. Ou seja, para salvar o lucro de uma minoria de burgueses carniceiros, o Governo está disposto a matar quantos trabalhadores for necessário.

O Governo Bolsonaro se mostra indisposto a ajudar a população, que devido a pandemia não tem condições de trabalhar, até quando é obrigado a ajudar, como é o caso do Auxílio Emergencial, projeto aprovado pela oposição, que traz um auxílio no valor de R$ 600 para desempregados e trabalhadores informais. Auxílio esse que vem tendo diversos problemas para chegar nas mãos dos brasileiros. Os problemas são diversos: desde uma demora injustificável para analisar os dados dos inscritos, falhas constantes nessa própria analise e até um roubo descarado de milhares de militares que receberam o auxílio mesmo sem precisar. Milhões de brasileiros estão aguardando ansiosamente enquanto o Governo pouco faz para resolver esses problemas. Todas essas ações, novamente, não são falhas, são ações propositais. O Governo está retardando a liberação do auxílio para forçar as famílias a romperem a quarentena, para assim seu projeto genocida ser executado. Além disso, o Governo alega não ter dinheiro para pagar a segunda parcela do auxílio. Ora, mas para salvar os bancos ele tem? O que importa mais: a vida de milhões de brasileiros ou o capital financeiro? Bolsonaro prefere auxiliar meia dúzia de parasitas do que milhões de brasileiros.

O povo se encontra sem chão e muitos colocam suas esperanças no projeto de impeachment que se encontra nas mão do Rodrigo Maia. Porém, Maia serve aos mesmos mestres que Bolsonaro, assim como Mourão também; todas as alternativas dentro dessa falsa democracia burguesa estão a serviço dessa mesma classe de parasitas: a burguesia.

Nesse cenário catastrófico, não há outra saída para o brasileiro se não a organização da classe trabalhadora. Devemos pôr fim a esse sistema sanguinário. A burguesia vive em cima das nossas costas, nós os sustentamos. Nós somos condicionados a uma vida de trabalho árduo e só conseguimos o mínimo pra se manter vivo. E quando surge uma pandemia, ao invés desses parasitas se mostrarem um pouco humanos, eles fazem o contrário e intensificam a exploração. E quanto aos Governos, para esses nunca há dinheiro para os pobres. “A fome do capital financeiro é insaciável”, já diria Theotonio dos Santos.

Uma hora esse sofrimento tem que acabar, devemos nos organizar, devemos canalizar o nosso ódio contra essa classe de parasitas. Esses são nossos inimigos: a burguesia, os bancos, o agronegócio, todos esses monopolistas sanguinários que só pensam em edificar cada vez mais a sua riqueza sobre o povo trabalhador, e apenas esses; não devemos levantar nossas armas contra nós mesmos, pois nós, os trabalhadores, construímos tudo que os nossos olhos enxergam, logo, tudo pertence a nós. Se os burgueses querem ter direito a algo, eles que trabalhem.

A pandemia, eventualmente, irá passar e quando isso acontecer, não devemos esquecer por tudo que passamos e quem são os culpados por isso. Assim que o vírus se for, devemos devolver o sofrimento por meio da nossa organização e tomada do poder. O poder deve pertencer ao povo e só ao povo!

Referencias:

O Estado de São Paulo. Governo autoriza empréstimos de até R$ 650 bilhões do BC a bancos. Disponível em: <https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,governo-autoriza-emprestimos-de-ate-r-650-bilhoes-do-bc-a-bancos,70003257625>. Acesso em: 16 mai 2020.

Uol. TCU determina que militares devolvam auxilio emergencial. Disponível em: <https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2020/05/13/tcu-determina-que-militares-devolvam-auxilio-emergencial.htm>. Acesso em: 16 mai 2020.

Valor Investe. Presidente da Caixa admite problemas com auxilio emergencial e pede desculpa. Disponível em: <https://valorinveste.globo.com/mercados/brasil-e-politica/noticia/2020/04/24/presidente-da-caixa-admite-problemas-com-auxilio-emergencial-e-pede-desculpa.ghtml>. Acesso em: 16 mai 2020.

*Rafael Lopes é historiador, educador popular pela Rede Emancipa e editor da Clio Operária.

26 visualizações
apoie.png