• Clio Operária

Democracia Corinthiana

Robson J. Almeida*


Não há como negar que o Sport Club Corinthians Paulista realizou um movimento histórico, e para entendermos a proporção desse acontecimento é necessário contextualizar o período que o Brasil se passava. No dia 1 de Abril de 1964 o Brasil começou uma das suas histórias mais sombrias, a caminhada de 21 anos de ditadura militar, onde a palavra democracia deixou de existir, o congresso foi fechado, partidos foram cassados e extinguidos, e políticos que não eram coniventes ao pensamento militar foram perseguidos ou exilados. Atos institucionais realizados feriam a constituição brasileira, e em 1968 o Ato institucional numero 5 (AI-5) inaugurou os anos de chumbo da ditadura militar.


“Houve o fechamento do Congresso Nacional, pela primeira vez desde 1937, e autorizava o presidente a decretar estado de sítio por tempo indeterminado, demitir pessoas do serviço público, cassar mandatos, confiscar bens privados e intervir em todos os estados e municípios. Por meio do AI-5, a Ditadura Militar iniciou o seu período mais rígido, e a censura aos meios de comunicação e a tortura como prática dos agentes do governo consolidaram-se como ações comuns da Ditadura Militar”.


Com esse contexto histórico, vemos que não havia mais liberdade de expressão no país, e o esporte mais praticado pelos brasileiros foi atingido. Uma prova desse acontecimento foi à conquista do tricampeonato mundial de Copa do Mundo que o Brasil vencera em 1970, o Governo aproveitou do feite e se beneficiou por toda repercussão positiva da massa popular, mostrando que o Brasil estava forte em diversos setores, principalmente no esporte mais popular entre os brasileiros. Claro que tudo isso era pura ilusão, pois a repressão, perseguição e tortura aconteciam a todos que se opusessem perante aquele dito “regime” militar.


Pelé ergue a taça Jules Rimet ao lado do General Emilio Garrastazu Medici após vencer a Copa de 1970. Imagem: Ricardo Stuckert/Folha Imagem

Perante as revoltas contra a Ditadura Militar, os responsáveis por essa vergonhosa história que o Brasil vivenciou foram aos poucos perdendo força popular. A classe dominante também se viu prejudicada quando as manifestações populares tomaram conta do país, e assim, o sistema declinou para seu término.


Nesse contexto, o futebol que é uma arma politica, mostrou sua força através do Sport Club Corinthians Paulista. Tradicional por ser um time do povo e das zonas periféricas, o Corinthians desenvolveu um movimento histórico contra a ditadura, junto com jogadores que tinham um posicionamento politico e afinidade com o assunto.


A democracia Corinthiana começou em 1982 com cunho politico aprofundado e uma notória representatividade do povo, onde os jogadores se manifestavam durante os jogos, lugar perfeito pra uma divulgação contra a ditadura militar, que nada podia fazer para impedir tal ato politico.


Jogadores politizados como Sócrates, Wladimir, Casagrande e Zenon, constituíram o maior movimento ideológico da história do futebol brasileiro, que marcou a historia do futebol nacional e mundial.


Corinthians estampa no uniforme a chamada para eleições diretas de 15 de novembro de 1982. Fonte: https://medium.com/o-contra-ataque/a-democracia-corintiana-12b9bae7d48c

O nome do movimento era um afronta naquele contexto, pois democracia era algo que estava longe da sociedade brasileira naquele momento.


“O movimento consistia na ideia de que todas as decisões tomadas pelo clube, na área de futebol, deveriam ser votadas antes, de modo que todos os participantes, dirigentes, atletas ou equipe de apoio, tinham direito a um voto. Talvez esse fato não soe atualmente com a significância que tinha naquela época: roupeiro e diretor de futebol tinham a mesma importância na Democracia Corinthiana, suas opiniões tinham o mesmo valor decisório”.

Sócrates e Wladimir foram os articuladores de propagar o movimento dentro do clube (Corinthians), suas ideias consistiam em igualdade de opiniões e de uma maior militância que atingisse todas as classes sociais. Com isso o Corinthians começou a representar uma forte força politica no futebol, mesmo em um período de ditadura.

“Os jogadores vestiam camisas por baixo da camisa oficial de competição com dizeres contrários à política da época: “eu quero votar para presidente” e “diretas já” eram alguns dos dizeres que se tornaram campanha do time corinthiano de futebol, e que logo foi assumida pelas torcidas organizadas do clube”.

Com tal efeito, o Corinthians conseguiu transmitir sua mensagem, ganhando reconhecimento mundial, além também de um ótimo desempenho nos gramados, chegando a vencer o Campeonato Paulista de 1982 e 1983, além de chegar as semifinais do Campeonato Brasileiro de 1984.


A Democracia Corinthiana foi um movimento revolucionário no futebol brasileiro, que mesmo durando apenas dois anos (1982–1984), entrou pra história de mobilização social e politica, onde a mensagem era bem clara, com gestos e declarações, mostrando para sociedade que a liberdade expressão era algo que jamais iriam tirar, pois o poder emana do povo.



Democracia Corinthiana foi um movimento revolucionário que entrou pra história do futebol nacional e mundial. Fonte: https://lh3.googleusercontent.com/proxy/4jlGDiyGzn7dUjHygq-ZsRRc4Z-d

“Todas as pessoas devem ser livres para se expressar de qualquer forma, sobre qualquer assunto.Descobri que, jogando futebol, eu posso ser intermediário das aspirações e angústias de milhares de pessoas que se identificam comigo, que me veem como um guerreiro de sua luta”. Dizia Sócrates.



Sócrates fazendo o gesto emblemático, com os punhos fechados; que significa enfrentamento e resistência. Fonte:https://lh3.googleusercontent.com/proxy/Qm0e9wZDfO49pWCOjLJP1S0uvQ3kPPeuDqWToxR2BVfusDa0TS5QKgz77s7FcvGgdG18BVINhX2PtKIK8uYYfFbDQgUg8cyiFTjb8IJvNy0

*Robson J. Almeida é historiador, escritor e sempre ávido por transmitir conhecimento.


1 visualização
apoie.png